A Contrarreforma Católica no Século XXI
Print Friendly

UMA SACRÍLEGA BEATIFICAÇÃO

NEM a nossa consciência, nem a nossa razão nos permitem dar o nosso consentimento, seja íntima ou explicitamente, para este ato de idolatria, pois é o que ele representa ! As páginas seguintes oferecem uma manifestação superabundante disto. O grande número de contradições óbvias que existem entre as Escrituras, a Tradição e ensino irrefutável do magistério católico por um lado, e por outro os ensinamentos do Papa Wojtyla, os quais estão repletos de erros, enganos, insultos contra Deus, Seu Filho Jesus Cristo e Seu Espírito Santo, e inúmeros absurdos e incoerências manifestos, proíbem-nos de venerá-lo como um “ Bem-Aventurado ”.

É nossa convicção bem fundamentada, portanto, que, elevando-o para os altares, o Papa Bento XVI ou foi enganado ou está enganando a nós. Para fugir desta terrível situação, é necessário ao Santo Padre dignar-se a admitir que um ato de sua autoridade apostólica pode ser impugnada por causa de vícios e erros que são julgados inaceitáveis para a consciência de uma parte da Igreja, porém essa parte pode ser esbelta, e também para a Vossa Santidade ao concordar em usar o seu Magistério supremo em tomar uma decisão soberana sobre estas questões ou, para ser mais preciso, para fazer delas o objeto de um julgamento ex cathedra infalível.

A celebração desta beatificação não é suficiente para promover a doutrina de João Paulo II ao rol dos ensinamentos do Magistério infalível, indiscutível, portanto, da hierarquia da Igreja. Isso é uma obviedade, mesmo que a cerimônia de beatificação seja comemorada com fervor por todo o povo de Deus, com a exceção de nós mesmos que, evidentemente, não contamos para nada !

Na « guerra mortal » que tem sido travada desde o Concílio pelas duas religiões dentro da Igreja Católica Romana, a única e sagrada depositária da revelação divina, Vossa Santidade o Papa Bento XVI certamente renderia um imenso serviço à Igreja e às almas, para a causa de Deus, ao proceder primeiro a um exame dessa divisão primordial no tocante à Fé e a esta discórdia intolerável, ambas datando do Concílio. Deixemos que o Soberano Pontífice se pronuncie sobre essa questão dogmática preliminar, quanto à existência ou não das realizações do Concílio, se estão em conformidade com a fé católica de todos os tempos, por meio de um julgamento definitivo, irrevogável e infalível. Que Roma fale com a sua autoridade suprema e universal, e a causa será ouvida e, se Deus quiser, a divisão e a guerra, assim, serão extintas !

NEGAÇÃO DA JUSTIÇA

Durante todo o pontificado de João Paulo II, nenhuma das petições do Padre de Nantes recebeu, sequer, a menor resposta de seu augusto destinatário, mas sempre a recusa contundente vinda dos escritórios do Vaticano.

A vontade deliberada de João Paulo II se recusara a realizar uma conclusão do exame das acusações do Padre de Nantes, apesar das prescrições do Direito Canônico, foram para os seus colaboradores tão evidente que durante o seu pontificado inúmeros atos ilegais das autoridades, “ declarações ” oficiais, advertências dos bispos, e as sanções antes de qualquer investigação ou julgamento, sucederam-se sem medo da reprovação.

Estes fatos causaram consideráveis, naturalmente irreparáveis, danos à reputação do Padre de Nantes e de inúmeras outras pessoas que o apoiaram, ao contrário de toda presunção de inocência. No entanto, o direito a uma boa reputação é um direito fundamental reconhecido a todos os fiéis da Igreja Católica (cânon 220), e particularmente aos clérigos, e não em virtude da dignidade e dos direitos do homem, mas em virtude da dignidade da nossa condição de batizados, que nos torna « não filhos de uma serva », mas de « a mulher livre » que é a Igreja (Gl 4 : 31).

Não é o dever do Pai Comum atender a boa reputação de cada um dos seus filhos ?

Se as acusações do Padre de Nantes eram falsas, seriamente imprecisas, é dever de Bento XVI para dar-nos a caridade de um julgamento de forma adequada, de acordo com a lei da Igreja (cânon 221), como o Padre de Nantes incessantemente exigiu em toda a sua vida. A legitimidade da beatificação no próximo dia 01 de maio depende desse juízo preliminar.

O JULGAMENTO : NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

O Papa João Paulo II, cujo lema “ Totus Tuus ” proclama a devoção mariana, sempre teve desprezo pelas aparições de Nossa Senhora de Fátima e as suas exigências muito precisas. Ninguém, entretanto, pode duvidar da autenticidade delas, nem as de 1917, nem aquelas que as completaramem Pontevedra em 1925 e em Tuy, em 1929. Elas constituem o mais importante epifania mariana de toda a história da Igreja. No entanto, bastou a tentativa de assassinato a João Paulo II em 13 de maio de 1981, o dia do aniversário da primeira aparição, para ele, segundo sua própria confissão, ter interesse nelas. É verdade que depois ele foi à peregrinação a Fátima, que beatificou os dois pastorinhos, Francisco e Jacinta, que morreramem 1919 e 1920, que ele elevou à categoria de santuário o lugar das aparições de Pontevedra.

No entanto, é um fato estabelecido que a Irmã Lúcia, última das videntes de Fátima, voltou a Deus algumas semanas antes dele, não foi tratada nada melhor durante a sua vida do que… o Padre de Nantes ! Ele foi muitas vezes acusado pelo “ tom ofensivo ” de suas advertências, mas é preciso admitir que as marcas diversas de veneração e carinho pelo Pai Comum dada pela Irmã Lúcia não obtiveram mais nenhuma atenção ou benevolência para consigo.

É surpreendente que, uma vez que a mensagem da Mãe de Deus, fielmente transmitida pela vidente, era incompatível com o pensamento pessoal de João Paulo II ? Com efeito, após a visão do Inferno, a Virgem revelou os meios para transformar as almas longe dele : « Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. » A salvação das almas e a paz do mundo depende da obediência da Igreja a esta vontade divina. Portanto, tudo está nas mãos do Santo Padre : cabe-lhe a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, após ter ordenado a bispos que com ele concretizassem aquela vontade, para que ela, a Rússia, seja convertida ; cabe-lhe também recomendar a devoção dos cinco Primeiros Sábados do mês. Por meio dessas simples demandas, que são a necessidade de conversão para a Igreja Católica, a mediação da Virgem Maria, a autoridade universal do Vigário de Cristo Rei, a existência do Céu e do Inferno que são recordados para o mundo, todas as que são verdades explícitas chocam-se com a “ gnose Wojtyliana ” expostanas páginas seguintes.

Os pensamentos de João Paulo II seguiu o sentido oposto ao Imaculado Coração de Maria. O Papa desejou a reconciliação das « igrejas separadas do Oriente e do Ocidente », mas ele não queria acima de tudo « converter » a Rússia ao catolicismo, já que seu grande plano milenar era unir todas as denominações, em pé de igualdade, sem deixar a Igreja Católica reivindicar qualquer superioridade sobre « as outras ». Seu plano inteiro correspondeu à sua quimera de um mundo pacífico, em que as religiões formassem um único “ Movimento para a Animação Espiritual da Democracia Universal ”, uma quimera de que a reunião que ele organizouem Assis, em 27 de Outubro de 1986 foi o símbolo. A violenta contradição que existe entre os desejos de Deus, revelado em Fátima, e as empresas interreligiosas pela paz de João Paulo II manifestou-se, precisamente, no decurso da reunião de Assis, por um evento muito emocionante. Uma procissão tinha avançado, tendo uma liteira de procissão em que ficava a estátua de Nossa Senhora de Fátima. Os comissários, no entanto, viraram para trás e a liteira com a estátuateve que ser abandonado ali, no chão, na grama.

« Que sinal ! Exclamou o Padre de Nantes, um sinal celeste em uma manhã muito fria, sem alegria, sem fé e sem luz, quando Deus parecia surdo às orações que subiam para ele. Qual foi a intenção daquelas pessoas interessadas naquele local, naquele dia ? Paz. Eles estavam preocupados com a aquisição da paz para o mundo. Através de quem e por que meios ? Através de todas as religiões e cultos. Eis então que a Pessoa que recebeu do único e verdadeiro Deus o dom da paz veio para a frente. Ela se aproximou para oferecer ao conjunto de todas as religiões o dom da Sua graça a todos aqueles que iam rezar para Ela e suplicar a Ela, e através d’Ela tocar o coração de Seu Filho, sem o qual nenhum homem e nenhuma pessoa pode fazer nada. E eis ela voltou para trás ! Que sinal ! Ela virou para trás, para fora da relação para com o chefe rabino de Roma e do grão-mufti de Meca, os adoradores da serpente e os adoradores do fogo, e os devotos de Buda, cuja estátua dourada foi entronizada na ocasião sobre o tabernáculo vazio da igreja de São Pedro !

« O que eles fizeram em Assis ? O objetivo, o desejo supremo de Jesus é que os homens, que o Papa e todos os bispos, que todos devam abrir os seus corações a Maria. Em Assis, noutra noite, eles repulsaram a ela e voltaram às costas para ela ! Eles preferiam rezar para Buda e Alá pela paz !

« Fátima, nos ensina que só ela pode nos ajudar a obter a paz do mundo e o fim da guerra. No entanto, ela somente foi afastada de Assis, e por um Papa de quem Ela tinha – ele mesmo disse – salvo da morte em 13 de maio de 1981, cinco anos antes. Que aberração irreparável ! »

A falta de importância que o Papa João Paulo II anexou às exigências do Céu reveladas em Fátima pela Virgem Maria, explica o estado trágico em que ele deixou a Igreja, e constitui um obstáculo insuperável para sua beatificação.

Irmão Bruno de Jesus
Ele ressuscitou !
n° 103, Abril 2011