A Contrarreforma Católica no Século XXI
Print Friendly

LIBER ACCUSATIONIS QUARTUS

3. De João Paulo II a Bento XVI

EM 1988, nosso padre, Georges de Nantes, escreveu: “João Paulo II transmite judaísmo com os olhos fitos na sua quimera”, isto é: “a quimera de uma fraternidade universal dos filhos de Deus para o ano 2000”.

Isso é muito simples:

« A Igreja de Cristo, tendo lançado-se, através de um primeiro ato de infidelidade, na heresia da Liberdade Religiosa para a vantagem duvidosa de alguma e qualquer religião que seja, agora encontra-se entregue à única religião que já teve uma fonte divina, para a única a ter possuído alguma verdade e alguma força, agora usada inteiramente contra Ela, que sucedeu-a em lágrimas e em sangue, o Sangue de Jesus, seu “Sinal de contradição”, a Igreja Católica.» (CCR n ° 206, janeiro 1988, p. 7).

No final de um ano durante o qual o Padre de Nantes tinha exortado seu “pequeno rebanho” a multiplicar suas orações e sacrifícios para obter de Deus um “julgamento” que seria uma condenação desta « heresia da Liberdade Religiosa», a resposta veio na forma de um livro escrito pelo Cardeal Lustiger, Arcebispo de Paris, entitulado A ESCOLHA DE DEUS. Aaron Lustiger, judeu polonês, colocou esta escolha em sua própria pessoa e para todos os tempos em seu povo, no Judaísmo, a Aliança eterna, a raça e a religião messiânica, que se tornaram a salvação de todos… Ele expressou seu Credo em “13 artigos”.

Portanto, o Padre de Nantes concluiu, «o mal foi consumado. Deus vai nos deixar ainda algum tempo para escolher entre seu Cristo e o Anticristo, entre nossa fidelidade à Santa Igreja e voltar à Sinagoga, a partir do qual Jesus havia libertado-nos através da Sua Cruz».

Nosso padre considerou que, « através deste livro», « os dois campos» tinham sido bem definidos e estariam, portanto, “confrontando um ao outro para a batalha suprema do Apocalipse”. Vinte anos depois, o Padre de Nantes está morto e enterrado, de forma fraudulenta “excomungado” pelo bispo de Meaux, e podemos dizer que o pontificado de Joseph Ratzinger, um cristão da Baviera que se tornou o Papa Bento XVI, marca o triunfo definitivo(?) da ESCOLHA DE DEUS… A menos que isso seja sua derrota absoluta.

Na verdade, o nosso padre reclamou que os «treze artigos do Credo Judaico de Aaron Lustiger» estão sendo promulgados a partir de hoje do alto da cátedra de Pedro. Nem sequer é uma questão de examinar a legitimidade, e muito menos a infalibilidade de tal ensino, mas apenas de notar um fato: o Credo de Bento XVI já não é o Credo católico. É, portanto, infalivel anátema. Ele consiste numa negação quíntupla: São Pedro negou seu Mestre três vezes. Bento XVI, seu sucessor, nega-O cinco vezes.

PRIMEIRA NEGAÇÃO:
A DA REVELAÇÃO BÍBLICA
EM FAVOR DO JUDAÍSMO TALMÚDICO

No início do seu comentário sobre o Evangelho de São Marcos, o Padre de Nantes imaginou um jovem pagão de Roma atraído para um encontro cristão e ouvindo pela primeira vez estas considerações do Oriente, com a alma de um catecúmeno, de um simpatizante, de um prosélito seduzido por algum membro desta comunidade de Roma, no momento em que São Pedro ainda estava vivo, ou talvez depois de seu martírio e das primeiras perseguições de Nero.

Por sua parte, o Papa Bento XVI opta por apresentar um rabino judeu chamado Jacob Neusner, o autor contemporâneo de um livro que o Papa segue com entusiasmo. Por um anacronismo absurdo, imagina este Jacob misturando-se a um grupo de discípulos, judeus, assim, que está a ouvir o Sermão da Montanha na Galiléia, dois mil anos atrás, e ele compara as palavras de Jesus às do Velho Testamento e às tradições rabínicas, « tais como eles são escritos na Mishná e no Talmud. Nestes livros, ele detecta a presença de tradições orais que remontam às origens. Estes livros proporcionam a chave para a interpretação da Torá». (JESUS DE NAZARÉ, vol. I)

Eis a conclusão desta comparação:

«O rabino aceita a alteridade da mensagem de Jesus, e ele se retira sem ódio a mostrar; » o homem santo!

Se Bento XVI prestou a mínima atenção ao Terceiro Segredo de Nossa Senhora de Fátima, ele iria se preocupar com o destino eterno desta alma que « está retirando» em vez de « fazer o seu caminho para Deus».

Além disso: « mantendo o rigor da verdade, ele sempre faz aparente a força de reconciliação do amor. » (ibid.)

Assim, este rabino “liberal” é melhor do que Jesus, que veio confessadamente não para estabelecer a paz na terra, mas divisão:

«Porque, de hoje em diante, haverá numa casa cinco pessoas, divididas três contra duas, e duas contra três. Estarão divididos: o pai contra seu filho; a mãe contra a filha, e a filha contra a mãe; a sogra contra a sua nora, e a nora contra a sua sogra. » (Lc 12,51-53) »

Por seu “liberalismo” pérfido, Bento XVI, cujo lema é precisamente “cooperador da verdade”, manifesta o quanto ele «retira» do Único que alegou ser A VERDADE (Jo 14,6).

Primeiro de tudo, desde a “crítica” perspectiva científica, na qual o Papa afirma colocar-se, o escrito do Mishnah data dos séculos III ou IV e o Talmud do século VI! Toda a questão, portanto, é saber a partir de que período as « tradições orais» a que se refere Neusner podem ser datadas. Por exemplo, a seus olhos a pergunta crucial parece ser a do Sabbath hoje como era ontem. Agora, o que o Antigo Testamento diz sobre isso? « Deus descansou no sétimo dia, o relato da criação nos diz. “Naquele dia, nós celebramos a criação”, conclui Neusner corretamente. Então ele continua: “Não trabalhar no dia do Sabbath é mais do que cumprir um rito com obediência escrupulosa. É uma maneira de imitar a Deus.”»

Isto é melhor do que “imitação de Jesus Cristo!”

E o nosso Santo Padre o Papa toma o partido dele?! Portanto, ele não entende que essa alegação contradiz Nosso Senhor, que afirmou que Ele «está sempre em trabalho», Ele e Deus, Seu Pai, com quem Ele é, senão o Único (Jo 5,17)?

Ao concordar com seu amigo Neusner, o nosso Santo Padre o Papa toma partido com «o príncipe da sinagoga, indignado por que Jesus tivesse curado no Sabbath, disse ao povo presente: “Há seis dias em que se pode trabalhar; vinde, pois, num desses dias, e sereis curados, e não no Sabbath! » (Lc 13,10-14)

« Vemos que, nestas discussões, há questões fundamentais concernentes ao homem e à boa maneira de honrar a Deus que estão em jogo. »

Reconhecidamente! E a resposta de Jesus a estas «questões fundamentais concernentes ao homem (sic!)» põe fim ao “diálogo”: «Hipócritas! Existe algum entre vocês que não desata o seu boi ou o seu jumento da manjedoura no Sabbath e não o leva para fora para beber? Esta é a questão fundamental sobre o boi e o burro! E agora para o “homem”: Esta filha de Abraão a quem Satanás tem mantido presa há dezoito anos não devia ser livre desta prisão no dia do Sabbath! » (Lc 13,15-16)

Não havia nada que poderia ser dito em resposta. Quando Ele disse isso, São Lucas acrescenta, «todos os seus adversários foram cobertos com a confusão, e todas as pessoas ficaram felizes com todas as maravilhas que Ele praticou. » (Lc 13,17)

Realmente, é um escândalo imenso, bem como uma heresia e cisma sem precedentes ver o Papa seriamente se perguntar se «a boa maneira dehonrar a Deus» consiste em observar o Sabbath! Isso equivale a «esvaziar a Cruz de Cristo de seu significado», como São Paulo disse, porque é o mesmo que agir como se Jesus não tivesse resolvido a questão há dois mil anos, morrendo na cruz na sexta-feira e ressuscitando dos mortos no «terceiro dia» – de acordo com as Escrituras! – Isto é, no domingo! Não nos fale mais sobre o sábado!

Mas nem Bento XVI, nem o rabino Neusner estão familiarizados com as Escrituras, ou melhor: o desejo deles para o “diálogo” os leva a lê-las através de lentes que reduzem-na ao que é indispensável para este diálogo, por exemplo:

«A ressurreição de Jesus teve lugar “no primeiro diada semana”, escreve o Papa. Conseqüentemente,para os cristãos, este “primeiro dia” – o início daCriação -tornou-se odiado Senhor, para o qualtodos os elementos essenciaisdo Sabbath do AntigoTestamentoconvergem,através da comunhãonarefeição comJesus. » (vol. I, p. 134)

Saia para o Santo Sacrifício da Missa ao Domingo!

SEGUNDA NEGAÇÃO:
DA IGREJA EM FAVOR DA SINAGOGA

A cegueira do rabino Neusner é igualada apenas pela negação que Bento XVI faz em favor da Sinagoga.

O judeu acaba acusando Jesus de não observar o quarto mandamento: “Honra teu pai e tua mãe para que tu possas ter uma vida longa na terra que o Senhor teu Deus tem dado a ti.” (Ex 20,12) De fato, um dia Ele foi informado que Sua mãe e Seus irmãos estavam fora e queria falar com Ele. Eis aqui Sua resposta: « “Quem é Minha mãe? Quem são Meus irmãos?” E, estendendo a mão para os Seus discípulos, Ele disse: “Aqui estão Minha mãe e Meus irmãos. Pois quem faz a vontade de Meu Pai celestial é Meu irmão, Minha irmã e mãe.” » (Mt 12,46-50)

O Papa nem sequer pensa em responder que Jesus «honra Seu Pai» como nenhum Filho já fez! Ele segue o rabino em sua impiedade anticrística, i.e., inteiramente governada pelo seu “inquérito” farisaico:

«Confrontado com este texto, Neusner pergunta: “Será que Jesus não estava nos ensinando a violar um dos dois mandamentos que interessa à ordem social?” » (vol. I,)

O Papa não prova que ele estava errado: “O rabino Neusner está completamente correto em ver neste mandamento o centro da ordem social, o que garante a coesão do “Israel eterno”, a família real, viva e presente de Abraão e Sarah, de Isaac e Rebecca, de Jacó, de Lea e de Rachel. É precisamente esta família de Israel que Neusner vê ameaçada pela mensagem de Jesus e a base de sua ordem social apagada pela primazia da Sua pessoa.”

No entanto, “a família real, viva e presente de Abraão e Sara …” é a Igreja Católica, a obra do Filho da Promessa feita a Abraão, realizada na Pessoa de Jesus! Isto é já o que Jesus respondeu aos judeus de Jerusalém, que afirmavam ser a «posteridade de Abraão» (Jo 8,33):

«Vós sois de vosso pai, o Diabo. » (Jo 8,44)

Vemos com isso que o Papa não é mais católico… e que ele é “do Diabo”!

São Paulo explicaria mais tarde: «Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da mulher nascida livre. O filho da escrava nasceu segundo a carne, o filho nascido livre em virtude da promessa. Estas coisas foram ditas por alegoria. Essas mulheres representam dois testamentos. Um deles foi do Monte Sinai, gerando filhos para a escravidão, que é Hagar. Ela representa Sinai – uma vez que Sinai está na Arábia, que corresponde à Jerusalém presente, que é escrava juntamente com seus filhos.» (Gálatas 4,21-25) O mesmo vale para os judeus e os árabes muçulmanos hoje!

Neusner é bem e verdadeiramente daquela Jerusalém. Ele é escravo, e não é a proclamação da liberdade religiosa por parte do Concílio Vaticano II que irá libertá-lo. Pelo contrário, ele é mais do que nunca um prisioneiro da «Jerusalém presente», pela vontade do Papa Bento XVI!

Tudo o que levaria a ele a entregar seu amigo seria lançar o Vaticano II ao fogo e pregar São Paulo, que cita o Antigo Testamento e não a Mishná ou do Talmud, e muito menos NOSTRA AETATE!

«A Jerusalém de cima, no entanto, é livre, e ela é nossa mãe. Porque está escrito: “Alegra-te, ó estéril, que não gera filhos; rompe em gritos de alegria, tu que nunca estiveste em trabalho de parto, pois mais numerosos são os filhos da abandonada do que daquela que tem marido.” E nós, irmãos, como Isaac, somos filhos da promessa, e como naquele tempo o filho da carne perseguia o filho do Espírito, assim também é agora. » (Gálatas 4,26-29)

Você entende? Uma vez que o paralelismo foi estabelecida entre Ismael e os judeus, por um lado, e Isaac e os cristãos, por outro lado, Paulo traça duas novas aplicações a partir disso.

Primeiro, nós que não somos judeus, que, portanto, não somos da raça de Abraão, somos «filhos da promessa», filhos de Deus.

Quanto aos judeus, eles são «filhos da carne», uma vez que não reconhecem Jesus, Filho de Maria, e perseguem os cristãos apenas como Ismael, de acordo com certas tradições judaicas, «perseguiu» Isaac. Não há nada novo sob o sol! São Paulo transpõe: os judeus perseguem os cristãos por quererem aqueles que vêm do paganismo para ser circuncidados. Agora, de acordo com a Bíblia, Sarah, que via em Ismael um rival para o seu filho, exigiu que Hagar fosse expulso (Gn 21,9):

« “Expulse a mulher escrava e seu filho! Pois o filho da escrava não deve partilhar a herança com o filho da mulher livre.Portanto, irmãos, somos filhos não da escrava, mas da mulher livre.» (Gálatas 4,30-31)

Assim: os judeus que não querem se converter, deixe-os fora!

Bento XVI ouvirá o que se segue? «Quando Cristo nos libertou, Ele quis dizer-nos para permanecer em liberdade, por isso, portanto, permanecei firmes e não vos submetais outra vez ao jugo da escravidão» (Gálatas 5,1), sob o pretexto de “liberdade religiosa”!

Do “Concílio de Jerusalém” (49 AD) ao Concílio Vaticano II (1962-1965), exclusivamente, a Igreja esteve livre. Ela decidiu soberanamente sobre uma sociedade cristã. O Concílio Vaticano II, no entanto, colocou-a de volta sob o jugo, pela negação da cristandade.

TERCEIRA NEGAÇÃO:
DA CRISTANDADE EM FAVOR DO MASDU
(Mouvement dAnimation Spirituelle de la Démocratie Universelle)

Aqui encontramos a explicação da recusa do Papa para consagrar a Rússia, que a Santíssima Virgem Maria em Fátima explicitamente exigiu. Aos olhos do Papa, essa exigência é… diabólica, sim, realmente! Bento XVI identifica isso com a terceira tentação pela qual o Diabo oferece a Jesus a dominação sobre o mundo.

Segundo ele, qual é o «verdadeiro conteúdo» desta terceira tentação? O Papa recorda que, «na história, isso continuamente toma uma nova forma». A primeira forma foi a do «Império Cristão… » após a conversão de Constantino!

Praticamente falando, isso equivale a confundir o lema de São Pio X, Omnia instaurare in Christo, com a terceira tentação de Jesus no deserto. Isso equivale a dizer que o reinado do capetianos, no reino de São Louis foi o reinado do Diabo e que Joana d’Arc era uma bruxa… Aqui, nos escritos do Papa, pode-se discernir a ponta da cauda do Diabo. Pois, segundo ele, «estruturas políticas e sociais concretas foram enviados a partir da esfera imediata do sagrado, da legislação da lei divina, para a liberdade do homem… » (vol. I)

Isto tem significado para a democracia, que dissipa qualquer outra autoridade sagrada da vida política, econômica e social. Segundo Bento XVI, esta abdicação da «lei divina» em favor da «liberdade do homem» remonta a tempos evangélicos. No entanto, manteve-se incompreendido até o momento do “Iluminismo”, que a Igreja condenou até o Concílio Vaticano II, que, finalmente, o “canonizou”.

O Santo Padre se apressa em acrescentar: «É verdade que, entretanto, essa liberdade foi completamente despojada da perspectiva de Deus e da comunhão com Jesus. » Despojada, a fim de ser ligada a quem, para quê? Ele não diz, mas nós sabemos a quem: ao «Príncipe deste mundo», através de seus capangas. Em que forma? Precisamente na forma destes poderes satânicos que estão escondidos sob a «liberdade do homem»:

«Liberdade para universalidade e, portanto, para a laicidade apenas do Estado se transformou em algo absolutamente profano, em “secularismo”, para que o esquecimento de Deus e do apego exclusivo ao sucesso parecessem ter se tornado os elementos constitutivos. »(vol. I)

«Liberdade para universalidade» costumava ser, de São Paulo em diante, liberdade para “catolicismo”. A palavra “católico”, porém, nunca flui da caneta do Papa, exceto uma vez no prefácio: «um teólogo católico qualificou o meu livro… » (vol. II, p XV), como brilhante! Assim, ele tem bem e verdadeiramente negado o catolicismo, a base do cristianismo em favor do que ele chama de «secularismo justificável».

Qual é o «carácter justificadamente secular do Estado»? É o Estado sem Deus. Qual é a diferença com «secularismo»? Não há absolutamente nenhuma! É uma abstração após a outra, que de modo algum contradiz os homens escondidos por trás dessas palavras que soam bem.

Vamos continuar a nossa leitura: «Para o cristão que crer, [não para a “católico”], os preceitos da Torá [não os Mandamentos da Igreja] continuam a ser uma referência sobre o qual ele mantém os olhos focados. »

Por exemplo, esta referência: «Não olheis para um homem com pena. Vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé.» (Dt 19,21)

«Para ele [o «cristão que crê »], está acima de tudo a busca pela vontade de Deus em comunhão com Jesus que continua a ser uma linha orientadora para a razão; sem o qual, a razão sempre corre o risco de cegar ou de ser cega.»

Você leu corretamente: «para razão»! Mais uma vez estamos nos pólos opostos de São Paulo.

QUARTA NEGAÇÃO :
A CRUZ DE CRISTO É REDUZIDA A NADA
EM FAVOR DA RAZÃO

«Porque a palavra da cruz é uma loucura para os que se perdem, mas, para os que se salvam, isto é, para nós, é a virtude de Deus. Porque está escrito: “Destruirei a sabedoria dos sábios, e reprovarei a prudência dos prudentes”. Onde está o sábio? Onde o doutor? Onde o indagador deste século?» (1 Co 1,18-20)

Ao contrário de São Paulo, que julgou «nada saber entre vós, senão a Cristo Jesus, e este crucificado.»(1 Co 2,2), podemos dizer que Bento XVI «quer saber » da mesma forma que o povo de Israel, e Israel sofredor. Por exemplo, ele atribui o «grito de angústia» do Salmo 22 a isso, ao invés de ao Messias. Israel inocente, vítima de vexames e perseguições por mais de quatro mil anos, É o Messias sofredor, de acordo com o nosso Santo Padre o Papa! No rosto de Jesus crucificado, parece, aos olhos de todos, o filho injustamente perseguido de Israel.

Esta interpretação reduz a nada (1 Co 1,17) o fato de que Jesus se apropriou este Salmo na Cruz, em conformidade com o original, sentido messiânico do texto: «Meu Deus, meu Deus, por que Me abandonaste?» (Mc 15,34; Mt 27,46)

A queixa, no entanto, de repente se transforma em ação de graças e louvor: « Vós respondestes às minhas orações! Vou anunciar o Vosso Nome aos Meus irmãos, no meio da assembleia Vos louvarei! » (Sl 21,22-23)

A razão para este grito de vitória é revelado no quarto cântico do Servo Sofredor: « E Iavé quis consumi-Lo com sofrimentos, mas quando tiver oferecido a Sua vida pelo pecado, verá uma descendência perdurável, e a vontade de Iavé prosperará nas Suas mãos. » (Is 53,10)

Bastava para a Igreja do início voltar a ler o Salmo 21 e Isaías 53 para entender que a queixa de Jesus não foi uma expressão de desespero e que o Seu último grito antes da morte não foi um horror, era suficiente Seu grito triunfal como Ele fez a investida final:

«O paroxismo do Seu sofrimento humano também foi o paroxismo de sua vitória divina!» (G. de Nantes, A AFLIÇÃO DE DEUS, CCR n ° 112, Abril de 1979, p. 20)

Ao considerar os judeus como o “Servo Sofredor” em desafio dos textos e da verdade histórica, e por obstinadamente dissociá-los de qualquer responsabilidade na morte de Cristo, Bento XVI os exclui dos frutos desta vitória d’Aquele a quem eles tinha perfurado. Na verdade, segundo o Papa, não apenas São Mateus esta enganado, mas ele nos enganou ao escrever que «todos os povos» respondeu a Pilatos: «Seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos! »( Jesus of Nazaré, t. II, p. 187)

Agora, por essas palavras inspiradas, que São Mateus certamente de modo fiel registrou em virtude da “inerrância” com que foi dotado, os judeus, sem saber, fizeram cair sobre eles e seus filhos, os frutos da redenção para que este sangue fosse o preço. Isto é o que os judeus que ouviram de São Pedro no dia de Pentecostes entenderam, e eles se converteram! Bento XVI, no entanto, não quer que os judeus se convertam! Ele substitui essa vontade, que era tradicional na Igreja até ele com uma teoria protestante da “justificação”, e por uma “nova evangelização”.

1° « JUSTIFICAÇÃO » LUTERANA.

Nosso Santo Padre o Papa concebe « a morte de Jesus como reconciliação (expiação) e salvação» para todos, se ele é convertido ou não. (vol. II, p. 228).

Em primeiro lugar, dando a palavra “expiação” como equivalente ao de “reconciliação”, o Papa confunde o sacrifício, o trabalho de Jesus oferecendo sua vida em «expiação», e o fruto deste trabalho, «reconciliação» que mais uma vez torna o nosso Deus favorável para nós.

Deve ser dito que na mente do Papa, a palavra “expiação” não se refere a «reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferença», pelo qual o próprio Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, é ofendido, mas apenas a reparação de uma «distorção» que macula uma «imagem de Deus»:

«A relação de Deus para com o mundo», que foi fruto da primeira criação não estava quebrada, mas apenas «distorcida pelo pecado. »(II, p. 230).

«A hermenêutica da continuidade» é realmente a chave para todo o pensamento de Bento XVI, segundo a qual Israel não pode reconhecer Cristo como seu Messias antes da hora fixada por Deus. Assim, existem duas revelações do Messias: a de um “Messias oculto” percebido apenas pelos cristãos, e outro de um “Messias glorioso”, conhecido pelos cristãos como o mesmo Jesus Cristo, mas que não manifestou a sua glória, ele ainda é aguardado por Israel, que assim, a seu modo, trabalha para a “redenção” do mundo concebido como uma redenção terrena:

«Para os judeus, a pergunta que se repete incessantemente, e é uma questão absolutamente legítima, é a seguinte: mas o que Jesus, o seu “Messias”, traz? Ele não trouxe a paz universal e Ele não superou a pobreza no mundo. Assim, como Ele pode ser o verdadeiro Messias, uma vez que isto é precisamente o que podemos esperar de um verdadeiro Messias? »(vol. I)

O que o Papa respondeu a esta blasfêmia? Nada!

Até o momento em que a « pobreza no mundo» já foi superada, Israel continua a ser o povo de Deus, o portador da salvação da humanidade, a figura histórica do Messias. Israel é também a encarnação de Deus, ou melhor, é a raiz. Judaísmo primeiro, em seguida, Cristandade estão vivendo, como ramos sagrados do mesmo tronco, de acordo com Bento XVI. Israel não pode reconhecer o Cristandade antes do prazo estipulado por Deus. A Igreja, pelo menos, pode e deve reconhecer Israel como o “filho mais velho”, e do judaísmo uma eterna aliança externa e abrangente.

Assim é que através de uma “discriminação” atônita, Bento XVI mantém os judeus à parte, separando-os do resto da humanidade, excluindo-os da pregação cristã, alegando que «Israel mantém a sua própria missão. Israel está nas mãos de Deus, que irá salvá-lo “como um todo” no momento adequado, quando o número dos gentios estiver completo.» (vol. II, p. 46)»

2° « NOVA EVANGELIZAÇÃO ».

É o resultado da mesma “hermenêutica”, segundo a qual não há quebra na “continuidade” entre a ordem natural da primeira Criação com as suas exigências próprias, e da ordem sobrenatural da predestinação à graça e à glória divina considerada como o efeito de um amor absoluto, incondicional e universal, excluindo toda condenação, de Deus para o homem que é criado à Sua imagem:

«A realidade do mal e da injustiça que desfigura o mundo e ao mesmo tempo, distorce a imagem de Deus – esta realidade existe, através do nosso pecado. » Note-se que não há questão de “ofensa”, e muito menos de indignação ou blasfêmia. É só questão de uma “distorção” que macula uma “imagem de Deus”…?!

«Não pode ser simplesmente ignorada, ela deve ser eliminada… Aqui, no entanto, não é o caso de um Deus cruel exigindo o infinito. »

O que é isso então? É a “eliminação” de um «mal», de uma «injustiça que desfigura o mundo e ao mesmo tempo, distorce a imagem de Deus?» Posto desta forma, não há realmente nenhuma razão para fazer o pecado um drama que exige reparação!

Aqui está a resposta do Papa:

«É exatamente o oposto [o oposto do que?]: O próprio Deus torna-se o locus de reconciliação, e na pessoa de Seu Filho assume o sofrimento em Si mesmo [o que é esse “sofrimento”?]. Deus concede Sua infinita pureza para o mundo. O próprio Deus “bebe do copo” de cada horror[?] de resíduos e, assim, restabelece direitos [os direitos da primeira criação, em outras palavras: Os “direitos do homem”? Em qualquer caso, não é uma questão de “graça”, que está ausente de todo este discurso] por causa da grandeza do Seu amor, que, através do sofrimento, transforma a escuridão [em quê? Para a luz?].» (vol. II, p. 232).

Estamos longe do mistério sobrenatural da Redenção, que é um combate da luz contra as trevas e não uma «transformação» das trevas. O erro muito reconhecível do Papa tem um nome: é a velha heresia da apocatastasis, segundo a qual tudo vai acabar bem para todos em Deus, porque Deus não é “cruel”, mas bom.

Como? Através de que “alquimia”? É muito simples, em duas etapas… inspirada pela vontade de chegar a um entendimento com o “judaísmo” pós-bíblico, anticrístico:

1. Israel é o povo escolhido de Deus, e tem sido há quatro mil anos e para sempre. Esta escolha divide a humanidade em duas raças humanas: os judeus e os outros, nós somos os goyîm, os pagãos.

2. Jesus é o Salvador dos goyîm em virtude de Seu reto judaísmo e Sua prática exata da lei. A encarnação do Verbo de Deus começou antes dele, continuou com ele (e ao lado dele?) de acordo com a Aliança eterna de Deus com Seu povo amplia-se a Dádiva de Deus para todos os homens.

«O próprio Logos, o filho, se torna carne, Ele toma um corpo humano. Desta forma, uma nova obediência torna-se possível, uma obediência que ultrapassa toda a realização humana dos Mandamentos. O Filho se torna homem e em seu corpo tem toda a humanidade de volta para Deus. Somente a Palavra encarnada, cujo amor é cumprido na cruz, é a perfeita obediência. Nele não só a crítica dos sacrifícios do Templo se tornam definitiva, mas qualquer que seja o desejo que ainda permanece é também realizado: Sua obediência encarnada é o novo sacrifício, e esta obediência Ele atrai-nos todos com Ele e, ao mesmo tempo enxuga toda nossa desobediência através do Seu amor.» (p. 234-235) Como é simples!

Não há inferno, nem luta terrena da Igreja, nem a força de Deus contra as forças satânicas. A luta de Jesus contra o pecado, a fim de arrancar todas as almas do inferno está ausente do ensinamento do Papa. É essa luta, no entanto, que O induz a tornar-se homem e se permite ser contado entre os escravos, criminosos e aqueles condenados pelo direito comum à crucificação. É uma luta até a morte, um encontro com Satanás para vencê-lo e arrancar suas vítimas dele. Todas as suas vítimas.

Por Cristo, o Filho de Deus quer a salvação de todos os homens. Isso, no entanto, não foi dado a Ele; Ele teve que vencer uma vez por todas na cruz e em cada momento de cada dia, milhares de vezes, sempre que o Santo Sacrifício da Missa é oferecido. Na verdade, ninguém, nem anjo, nem o Papa, pode atacar essas palavras da Escritura: «Aquele que não come da minha carne e não bebe do meu sangue, não tem a vida dentro de si.» (Jo 6,53) Por que ele não tem «nenhuma parte comigo» (Jo 13,8), ele não participar do banquete da salvação, que é a conseqüência inseparável do sacrifício. É apenas uma: receber a comunhão no Corpo e Sangue de Jesus, nosso Redentor, por uma real e sagrada manducação na fé, a fim de se beneficiar da sua Paixão e receber a salvação da Cruz.

Não é assim para Joseph Ratzinger: «Depois de séculos de antagonismo, agora nós vemos isso como nossa tarefa de trazer essas duas formas de releitura dos textos bíblicos – a maneira cristã e a maneira judaica – em diálogo um com o outro, se quisermos compreender a vontade de Deus e Sua palavra corretamente» (vol. II, p. 33-34), dentro da “aliança única”, na qual «a pessoa por completo torna-se “palavra-igual”».

Para apoiar este novo pensamento, o Papa manipula as versões grega e massorética do Salmo 40 para estabelecer a «continuidade» entre a adoração de Jesus crucificado e a da Torá.

Na Carta aos Hebreus, o Salmo 40 é citado na versão grega «como um diálogo entre o Filho e o Pai, em que a Encarnação é realizada e, ao mesmo tempo, o novo culto de Deus é estabelecido: “Sacrifícios e ofertas Vós tendes não desejado, mas um corpo que Me preparaste; em holocaustos e sacrifícios pelo pecado Vós tendes tido nenhum prazer. Então eu disse: Eis que Eu venho para fazer a Tua vontade, ó Deus, como está escrito de Mim no rolo do livro” (Hb 10,5-7;. Cf Sl 40,6-8). »

Em seguida, o papa pontua a diferença entre esta citação e o texto hebraico: «Considerando que, na Carta aos Hebreus, lemos: “Vós tendes um corpo preparado para mim”, o salmista havia dito: “Mas Vós me deste um ouvido aberto”.» (p. 233)

Isto é importante porque o texto hebraico mantém «a ideia de sacrifício espiritual, ou “sacrifício na forma da palavra”, foi formulada: a oração, a auto-abertura do espírito humano a Deus, é a verdadeira adoração. Quanto mais o homem se torna “palavra” [note a inversão diabólica do mistério do Verbo de Deus feito homem!] – ou melhor: quanto mais toda a sua existência é dirigida a Deus, mais ele realiza a verdadeira adoração.

«No Antigo Testamento, desde os primeiros livros de Samuel até a profecia final de Daniel, encontramos constantemente novas formas de luta com esta idéia, que se torna ligada mais e mais estreitamente com o amor à palavra orientadora de Deus, a Torá. » (vol. II, p. 233-234)

Isso, no entanto, era «no Antigo Testamento», para ser mais específico, antes da Encarnação do Verbo! Isto é como a Torá, a Lei, é substituída pela Palavra que se tornou carne, por Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador, pelo ensinamento talmúdico de nosso Santo Padre o Papa!

No entanto, Bento XVI não tem consciência de que é «farisaísmo, que adquiriu um novo centro na escola rabínica de Jamnia» após a ruína de Jerusalém que ele só sobreviveu, «e não desenvolveu o seu próprio modo particular de ler e interpretar o Antigo Testamento, depois da perda do Templo, centrado na Torá.» Bem, é isso que ele considera como uma fonte autorizada «para entender a vontade de Deus e de Sua palavra corretamente»?!

Ele perfeitamente distingue isso da revelação bíblica:

«Só então é que se tornou possível falar de “judaísmo” no sentido estrito, ele escreve, como uma maneira de ver o cânon das Escrituras como revelação e lê-lo novamente na ausência física do culto no Templo»… e sem Cristo, sobre quem estes escritos mesmos não deixam de falar.

Mesmo se, para isso, significasse modificar o texto hebraico das Escrituras Sagradas com o objetivo em mão, como a comparação com os manuscritos de Qumrân nos permitiu descobrir. O caso da versão grega de Salmo 40 é inegável: «um corpo Vós preparastes para Mim» é uma profecia da Encarnação do Verbo; modificado pelos rabinos de Jâmnia para ler « mas Vós me destes um ouvido aberto». É habilmente perversa!

Historicamente, «judaísmo em sentido estrito» é uma religião anticrística…

Então, assim é a religião de Bento XVI também…

Assim sendo, não devemos ser surpreendidos pelas negações de seu último capítulo sobre a ressurreição do Senhor.

CAPÍTULO IX

QUINTA NEGAÇÃO :
DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO

O Papa nos mergulha em profunda perplexidade: «O que realmente aconteceu? Claramente, para as testemunhas que encontraram o Senhor ressuscitado, não foi fácil dizer.» No entanto, eles relataram simplesmente como eles viram, ouviram e tocaram-No, como Ele comeu com eles … Bem, não! «Eles foram confrontados com o que para eles era uma realidade inteiramente nova, muito além dos limites de sua experiência.» (p. 242)

Isso é suficiente para fazer você perder a fé na escola de um luterano:

«Rudolf Bultmann levantou uma objeção contra a fé na ressurreição, argumentando que, mesmo que Jesus tenha voltado do túmulo, teríamos de dizer que “um evento milagroso natural, como a ressuscitação de um homem morto” não nos ajudaria e seria existencialmente irrelevante» Então…

«Agora, o Papa continua, deve-se reconhecer que, se na ressurreição de Jesus estaríamos lidando apenas com o milagre de um cadáver ressuscitado, o que acabaria por ser de nenhum interesse para nós.»

Pare! Não existe um “cadáver”, porque se Jesus morreu de acordo com a lei estabelecida por Deus como castigo pelo pecado original, quando Sua alma foi arrancada de seu corpo, a ligação deste corpo sacratíssimo, trespassado para nossa salvação, com a Pessoa divina que consagrou totalmente a Si mesmo, não está quebrada. Esta relíquia é sagrada, ela não experimentou a corrupção do túmulo, que será sempre o sacramento da redenção universal. Assim, uma vez ressuscitado dentre os mortos, Ele nunca mais vai ser sujeito à morte. Esta é a nossa fé católica.

É por isso que a vida cristã consiste em adorar, amar, contemplar este corpo divino marcado com todos os estigmas de Sua Paixão cruel de acordo com as provas apresentadas pelo Seu Santo Sudário mantidos em Turim.

O Papa, no entanto, excluiu esta peça problemática da evidência no capítulo anterior (p. 243).

Aqui, ele vai ainda mais longe, mas eu não sei se algum leitor de mil verá como astuciosamente ele nega a ressurreição física do corpo de Cristo, ligando-a com a necessidade de morrer mais tarde, como se fosse impossível para Cristo tomar posse de seu corpo mais uma vez, como Lázaro e ser imortal a partir de então…

O Corpo de Cristo está ressuscitado dentre os mortos pelo poder da segunda Pessoa da Santíssima Trindade para o qual foi hipostaticamente unidos até a morte. Assim, nunca mais será sujeito à morte. Da mesma forma, o Pai irá nos salvar de todos os perigos, até mesmo do túmulo, Ele nos ressuscitará.

É uma esperança prodigiosa baseada na morte e sepultamento de Cristo! Esta esperança é frustrada por Bento XVI em seu comentário sobre os relatos dos Evangelhos:

«A linguagem mitológica (sic!) exprime, por um lado, a proximidade do Senhor, como Ele se revela em forma humana, e, por outro lado, sua alteridade, como ele está fora das leis da existência material.» (p. 267-268)

São Lucas menciona que Jesus ressuscitado comeu peixe na presença dos apóstolos?

«A maioria dos exegetas consideram que Lucas está exagerando aqui, no seu zelo apologético, que uma declaração deste tipo parece chamar Jesus de volta para a fisicalidade empírica que havia sido superada pela ressurreição. Assim, Lucas acaba contrariando sua própria narrativa, em que Jesus aparece de repente no meio dos discípulos numa fisicalidade que não está mais sujeito às leis do espaço e tempo.» (p. 269)

Não só ele acusa Lucas de mentir e de se contradizer, manifestando assim que ele não acredita na inerrância das Escrituras, mas o Papa insiste em negar o fato, ou seja, que Jesus comeu peixe precisamente para provar a presença física de Seu Corpo humano, o que o Papa nega!

Não há remédio para tal tipo de cegueira!

O que é a ressurreição, de acordo com Joseph Ratzinger? «Poderíamos considerar a ressurreição como algo semelhante a um “salto evolutivo” radical, em que uma nova dimensão da vida emerge, uma nova dimensão da existência humana» (p. 374)

É um «salto evolutivo»… como o de um gorila que se torna homem, segundo Darwin…

«Essential, então, é o fato de que a Ressurreição de Jesus não foi apenas sobre um indivíduo falecido voltando à vida em um determinado ponto, mas que um salto ontológico ocorreu, que toca o ser como tal, abrindo uma dimensão que nos afeta a todos, criando para todos nós um novo espaço de vida, um novo espaço de estar em união com Deus.» (p. 274)

Estas expressões que são tomadas a partir do jargão evolutivo significam que a ressurreição de Cristo fez dele um ser que é essencialmente diferente do que era antes da sua ressurreição.

Questão: se Ele não tem exatamente o mesmo tipo de corpo como Ele teve antes de morrer, que tipo de “carne e ossos” ele tem? É o Sagrado Coração de Jesus realmente um coração humano, o mesmo que foi trespassado pela lança do soldado romano, e que bate de novo?

De acordo com Ratzinger: não! Ele deixou tudo bem claro:

«Neste sentido, segue-se que a Ressurreição não é o mesmo tipo de evento histórico como o nascimento ou a crucificação de Jesus. É algo novo, um novo tipo de evento.»

Esta afirmação contradiz a verdade pura e simples: de acordo com a fé católica com base nos fatos históricos, o Filho de Deus formou um corpo e uma alma no seio da Virgem Maria e, depois, morreu de acordo com a lei estabelecida por Deus como castigo pelo pecado original, na desarticulação de Sua alma de Seu Corpo. No «terceiro dia», esta alma mais uma vez tomou posse de seu corpo.

Esta Natividade, esta Crucificação e esta Ressurreição foram verificáveis, eventos físicos e históricos, que teve lugar, respectivamente…

Em Belém, no ano 1 de nossa era, em 25 de dezembro,

Em Jerusalém, na sexta-feira, 7 abril do ano 30,

Em Jerusalém, no domingo, 9 de Abril do ano 30.

TRANSUBSTANCIAÇÃO.

Se o Corpo e Sangue de Cristo fez um «salto evolutivo em uma nova dimensão» o dogma da transubstanciação, segundo a qual, na consagração durante o Santo Sacrifício da Missa, toda a substância do pão é transformado em toda a substância do Corpo de Cristo, e a substância do vinho em seu Sangue, deixa de existir. Este dogma não tem qualquer consistência ou raison d’être.

Nem a visita ao Santíssimo Sacramento nem: «a adoração eucarística ou tranquila visita a igreja podem, razoavelmente, e não simplesmente ser pensadas como uma conversa com Deus que é pensado presente de uma forma localmente circunscrita, Ratzinger ensinou numa conferência realizada no tempo do Concílio.

«Afirmações tais como “Deus habita aqui” e o colóquio com Deus que é imaginado estar presente localmente, a base para esta afirmação, expressam um mal-entendido do evento cristológico, bem como a idéia de Deus, que, necessariamente, repele o pensamento do homem que sabe sobre a onipresença de Deus. Se alguém fosse justificar “ir à igreja”, alegando que é preciso visitar o Deus que está presente somente lá, esta seria certamente uma justificação que não faria sentido e seria legitimamente rejeitada pelo homem moderno.» (Die sakramentale Begründung christlicher Existenz, a Fundação sacramental da existência cristã, a transcrição de um trecho de uma palestra de quatro horas dado pelo padre Ratzinger em Salzburgo, na Áustria, em 1965)

A RESSURREIÇÃO DO MORTO.

Na encíclica Pascendi, São Pio X ressaltou que os modernistas lidam com a Sagrada Escritura como se ninguém jamais houvesse estudado esses livros antes deles e como se ninguém nunca tivesse interpretado corretamente. Em seu livro The Christian Faith ontem e hoje, Joseph Ratzinger mostra-se um modernista perfeito:

«É, portanto, claro (!) que a essência da fé na ressurreição não consiste na idéia de uma restituição dos corpos, como nós geralmente imaginamos, embora a Bíblia atualmente use esta representação cheia de imagens.» (P. 252, edição francesa de uma introdução ao cristianismo. Cinqüenta e duas edições deste livro foram publicados em oito idiomas, entre 1968 e 2007)

«É, portanto, evidente» que o nosso Santo Padre, o Papa Bento XVI, nega o seguinte último artigo de nosso Credo:

«Et exspecto resurrectionem mortuorum… Eu espero a ressurreição dos mortos. »

«De acordo com a mensagem bíblica da ressurreição», que é corretamente interpretado por mim, Ratzinger, «o conteúdo essencial da mensagem não é a representação de uma restituição dos corpos às almas depois de um longo período intermediário.» (p. 255)

Qual é a razão para tal negação peremptória? É porque «essa ressurreição aparentemente implica um novo céu e uma nova terra» (p. 251). Precisamente! Segundo o ensinamento de São Pedro, «esperamos novos céus e nova terra» (2 Pd 3,13)!

Joseph Ratzinger não hesita em considerar essa idéia como «perfeitamente absurda, absolutamente contrária ao nosso entendimento da matéria e suas propriedades, e, assim, inexoravelmente mitológica».

Tanto para São Pedro. E quanto a São Paulo?

«Paulo, permita-nos repetir mais uma vez, não ensina a ressurreição dos corpos, mas de pessoas, e isso não consiste em uma reconstituição de “corpos de carne”, i.e., combinações biológicas, que ele declara expressamente impossível (“o que é corruptível não pode se tornar incorruptível”), mas de acordo com um novo modo de vida ressuscitada, como é prefigurado em Nosso Senhor.» (p. 259)

Segundo Bento XVI, este «novo modo»:

1. não é a retomada de posse do Corpo de Cristo por Sua alma, mas um salto evolutivo em uma nova dimensão da existência;

2. não é um evento histórico, como Seu nascimento ou a Sua crucificação. Na verdade, a ressurreição de Cristo ocorreu fora do tempo e do espaço, que não é nada.

Segundo ele, «quando se acredita na “comunhão dos santos”, a idéia da anima separada (da alma separada sobre o qual os escolásticos falam) é finalmente ultrapassada.» (p. 254)

Assim, é «obsoleto» rezar pelas almas do Purgatório, ou rezar aos santos do Céu que ainda não estão reunidos com seus corpos!

O “SEGREDO” DE NOSSA SENHORA

Afortunadamente, Nossa Senhora vem em nosso auxílio por Seu grande “Segredo” de 13 de Julho de 1917 em que Lúcia, Francisco e Jacinta viram com seus próprios olhos «os demônios e as almas. Os últimos eram como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana.»

«Vistes o inferno, para onde as almas dos pobres pecadores vão, Nossa Senhora disse-lhes com bondade e tristeza. Para salvá-las, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. Se o que eu vou dizer para você for feito, muitas almas serão salvas.»

O Segredo termina com a visão do Santo Padre rezando «pelas almas dos cadáveres que ele encontrava pelo caminho».

Entendemos mais e melhor a razão para a oposição obstinada do Cardeal Ratzinger, tornado Bento XVI, a Nossa Senhora de Fátima. Aqui, finalmente, torna-se real o que é dito sobre Ela: «A mulher que esmagará a cabeça da serpente» e também: «Vós a sós conquistareis as heresias no mundo inteiro»