A Contrarreforma Católica no Século XXI
Print Friendly

A APOTEOSE DO ANTICRISTO

O Padre de Nantes apresentou uma denúncia contra João Paulo II enquanto ele ainda estava vivo, « uma queixa por causa de heresia, cisma, e escândalo contra o nosso irmão na fé Karol Wojtyla ». Os fundamentos para esta denúncia foram reunidas num “ Livro de Acusação ”, apresentada à Santa Sé em 13 de maio de 1983, e dirigida ao « nosso Santo Padre João Paulo II, pela graça de Deus e lei do juízo soberano da Igreja de todos os fiéis em Cristo ». Esta ação estava em concordância com os Cânones 212, 221 e 1. 417 do Código de Direito Canônico, e ainda assim, as autoridades sempre se recusaram a analisar ou até mesmo a aceitar esta acusação. Obviamente, se fosse objetivamente falsa, infundada, ou indefensável, a “ beatificação ” de João Paulo II, anunciada para 01 de maio de 2011, indiretamente poria um término ao litígio.

Na atual situação catastrófica da Igreja, fatos e estatísticas diariamente confirmam as previsões e análises que o Pe. de Nantes apresentou em Roma em 1983. Elas são o resultado que se poderia esperar dos erros doutrinais através dos quais ele criticou João Paulo II. Por conseguinte, não é possível considerar que a anteriormente referida beatificação não é nada mais do que um abuso de poder, uma arsenal de publicidade, uma notícia colossal que reviverá no tempo de algumas semanas, « “a atmosfera da era de João Paulo II, que com as grandiosas comemorações com imensas multidões de populares, que desde os jubileus às beatificações pontuaram os fins de semana da Cidade eterna durante 25 anos de pontificado » (La Croix, segunda-feira, 17 de janeiro de 2011), sem qualquer benefício para a Igreja e, consequentemente, para a salvação das almas.

« Na pequena capela dedicada a São Sebastião, no corredor do lado direito da Basílica de São Pedro, em Roma, em frente ao altar central, os trabalhadores estão ocupados. O tempo está passando : tudo deve estar pronto para receber em poucas semanas, o corpo do Papa polonês… ». Assim como há muito tempo os trabalhadores estiveram ocupados na construção do mausoléu de Lênin na Praça Vermelha…

Nosso Senhor nos alertou : « falsos messias e falsos profetas surgirão, e eles realizarão sinais e maravilhas tão grandes, se possível, enganariam até os escolhidos. »(Mt 24 : 24-25) É por isso que a Igreja sempre considerou a análise doutrinária dos escritos do “ servo de Deus ” como a primeira condição para a validade da sua beatificação. O reconhecimento de um milagre só é levado em conta para confirmar a decisão sobre a fé e as outras virtudes. O exame dos ensinamentos de João Paulo II – se tiver ocorrido – não levou em conta as acusações do Pe. de Nantes em conta. Essas acusações foram retomadas por nós, Pequenos Irmãos e Irmãs do Sagrado Coração, em um memorando enviado em 06 de agosto de 2005 para o postulador da causa de João Paulo II, que ficou sem resposta (He is risen nº. 37, setembro de 2005, p. 50-20).

Se estivermos errados, deixem isso de forma clara !

O povo do mundo inteiro está competindo uns com os outros por um lugar para comemorar « uma beatificação extraordinário para um papa excepcional » (La Croix, 17 de Janeiro). Fora das normas da fé católica, ninguém pode ser agradável a Deus. Como pode um homem que não tem a fé católica ser declarada « beato » ? Posto isso, a integridade da fé católica que está em jogo. Está seriamente comprometida, e o perigo de danação das almas é grande, terrível mesmo… para os juízes, bem como para os litigantes neste processo.

Como pode um Papa que goza de uma « reputação de santidade » aparentemente universal ser capaz de deixar a Igreja em um estado de « ruína» sem precedentes ? Os escândalos de pedofilia são o sinal mais visível, juntamente com a crise do Instituto dos Legionários de Cristo, cujo fundador, o Pe. Marcial Maciel, beneficiou-se até o fim da amizade e da confiança do chamado “ beato ”.

As causas desta cegueira surpreendente pode ser resumido em uma proposição simples : João Paulo II tinha fé no homem. Isto resultou em um desvio da esperança cristã, em sua mente e na mente das multidões que o aclamavam, em favor da utopia de um novo mundo aqui, produzindo um resfriamento trágica da virtude da caridade na Igreja.

Um superior religioso em Roma, salientou, no que diz respeito ao Pe. Marcial Maciel : « Nunca vimos um fundador alcançar esse nível de perversão. O carisma de uma congregação, no entanto, sempre recai sobre a própria pessoa de seu fundador. Como podemos recon-struir os alicerces pervertidos ? » (La Croix, segunda – feira, 4 de janeiro de 2011).

Estas palavras podem ser aplicadas a toda a Igreja, « uma grande cidade metade em ruínas », reduzido a este estado, num de quarto de século por um inovador Papa a quem Pe. de Nantes acusou de trair Cristo e de ter feito Roma a sede do Anticristo. O Padre nunca recebeu a menor negação desta auto-ridade, nem uma refutação disto de qualquer teólogo.

O CULTO DO HOMEM

Sempre que podia, João Paulo II proclamava inces-santemente a sua « fé no homem », a ponto de substituir-lhe a Jesus Cristo ; por exemplo, quando ele comentou sobre a resposta de Jesus a Pilatos : « Tu dizes que eu sou rei. Por isso Eu nasci e por isso Eu vim a este mundo para dar testemunho da verdade. Quem é da verdade ouve a Minha voz. » João Paulo II comentou : « Cristo é rei no sentido de que n’Ele, no depoimento que prestou à verdade, manifesta-se o ‘reinado’ de cada ser humano, a expressão do caráter de cada pessoa transcendente. Essa é a herança própria da Igreja. » (N’ayez pas peur, Dialogue avec André Frossard, 1982, p. 225)

Nós dizemos : esta é a afirmação própria do Anti-cristo. Essa afirmação categoricamente contradiz a fé católica, segundo a qual a verdade, para a qual Nosso Senhor Jesus Cristo é testemunha, diz respeito a Deus, Seu Pai e Ele, na Sua Santidade única, sagrada, inviolável e inacessível, em outras palavras, na Sua “ transcendência ” como Filho de Deus, apenas o Rei do universo e Salvador de todos os homens.

João Paulo II substitui a pessoa humana, sua dignidade transcendente, sua realeza, pela segunda Pessoa da Santíssima Trindade, o Filho de Deus feito homem, o objeto de nossa fé. É um tema constante do pensamento de Karol Wojtyla. Ele já despiu Nosso Senhor Jesus Cristo de sua realeza no retiro pregado diante de Paulo VI em 1976 : « A função real de Jesus não é primeiro de tudo exercer autoridade sobre os outros ; é, isso sim, uma manifestação do caráter real do homem. Esse personagem real é incorporado dentro da natureza humana, dentro da estrutura da personalidade humana. » (Sinal de contradição, p. 176)

Para fazer com que cada homem seja um rei desta maneira leva a menosprezar a relação de amor e graça que Cristo quer estabelecer com cada pessoa humana, chamando-o a entrar na Igreja Católica. De acordo com João Paulo II, Jesus já não tem que conquistar as almas, uma a uma, cada um com sua vocação particular, porque « pela sua encarnação, o Filho de Deus se uniu, de certo modo, a cada homem. » Continuamente citando esta proposição do Concílio Vaticano II (Gaudium et spes 22, 2), por exemplo, na encíclica Redemptor hominis, o Papa estava citando-se, porque essa afirmação foi introduzida no esquema conciliar por Karol Wojtyla, então arcebispo de Cracóvia.

É em vão buscar uma a base para tal doutrina nas Sagradas Escrituras ou nos Padres da Igreja ! A ausência de qualquer condição para a união de todos com Cristo leva a afirmar isso como dado a todos, sem distinção de religião.

Na Encíclica Redemptor hominis, João Paulo II realmente tentou dar uma base bíblica para essa afirmação, que é o núcleo desta encíclica, por recordar à « incisiva expressão de São João no prólogo do seu Evangelho », segundo o qual « o Verbo deu o poder para se tornarem filhos de Deus ». Para quem ? Para cada homem, pelo simples fato da Encarnação, o Papa repete quatro vezes, à custa da falsificação do texto inspirado ! De fato, a citação completa do São João é o seguinte : « Para todos os que O receberam, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus, para aqueles que crêem no Seu Nome ». (Jo 1 : 12) Ou seja, para aqueles que acreditam em Seu ser interior, em Sua origem, em Sua missão, « Aquele que nasceu, não de sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. » (Jo 1 : 12)

João Paulo II confunde a natureza e a graça, a vida humana e a vida divina, que está sendo « de alguma forma » presente no outro, segundo ele, em todos e para sempre, como ele afirma inequivocamente no parágrafo 14 da encíclica : « Cristo é de alguma forma unido a cada homem, sem exceção alguma, mesmo quando ele não sabe disso. »

Esta naturalização do sobrenatural dominou todo o pontificado de João Paulo II. Isso o levou a organizar o encontro interreligioso universal de oração, jejum e a fazer uma marcha silenciosa pela paz no mundo, em 27 de Outubro de 1986, em Assis.

Papa Bento XVI está se preparando para celebrar o vigésimo quinto aniversário do evento, indo ele mesmo em Outubro próximo, « como peregrino à cidade de São Francisco, convidando os meus irmãos cristãos das várias denominações, os expoentes das tradições religiosas do mundo (sic) e, idealmente, todos os homens de boa vontade, para aderir a esta Romaria.O seu objetivo será comemorar o gesto histórico desejado pelo meu antecessor e solenemente renovar o compromisso dos fiéis de cada religião a viver a sua fé religiosa como um serviço à causa da paz. Aqueles viajando a Deus não pode deixar de transmitir paz, aqueles que estão construindo a paz, mas não pode se aproximar de Deus. » (Angelus, sábado, 1 de janeiro de 2011)

Estas observações apenas repetem as feitas por João Paulo II, que o Padre de Nantes julgou « completamente falso e um insulto ao único, Deus vivo e verdadeiro, de quem é proibido para zombar ! É um insulto a Seu Cristo, Jesus, o Jesus da história e da Igreja, crucificado pelos judeus, rejeitado pelos muçulmanos, desprezado pelos budistas, ignorado pelos pagãos ! E isso é um insulto ao Seu Espírito Santo, Espírito da pura Verdade e Caridade, do amor fraterno e perdão preservados no e pelo cristianismo somente, independentemente do que sonhadores de um mundo único possam dizer.

« No entanto, milhões de almas também são injustiçadas e feridas – aquelas multidões, cuja fé e caridade secretamente os tornavam templos do Espírito Santo e membros invisíveis do Corpo místico de Cristo, por causa de todos os elogios a mentira talmúdica, islâmica ou xintoísta, e de ioga ou do Zen, ou do cachimbo da paz do grande Manitu ou dos que adoram o lingam (escrevo em hindi, por respeito às leitoras senhoras), ou à Serpente, ao Sol e ao Fogo… Todos, mentindo, cumprimentam os representantes informados e conscientes de todas as falsas religiões do mundo ; trabalham contra a pregação libertadora do Evangelho que seria a salvação de centenas de milhões destas, e a abençoada santificação de milhares deles, já justificados e ansiosos pelos esplendores da Eucaristia, a devoção a Nossa Senhora e aos santos, e todos os tesouros desconhecidos por eles da revelação divina, dos sacramentos da Igreja, da ordem e virtudes da Cristandade.

« Que homem culpado e miserável ! O cúmplice de Satanás é um papa que fala, no Mondo Vision, uma linguagem tão falsa, e verdadeiramente decepcionante e anticristã ! »

Irmão Bruno de Jesus
Ele ressuscitou !
n° 102, Fevereiro 2011